Para entender o cristianismo: uma vida baseada no amor



Ele me amou. Ele me ama. Ele é amor.

"É fácil amar quem te ama, ame quem quer o seu mal", foi o que Ele me disse. 

"Jefferson, as coisas não acontecem de uma hora para outra. Tudo é um processo. No deserto, fiquei 40 dias e lá tive que me encontrar e entender minha missão. Entenda a sua: você nasceu para amar. Materialize esse amor. Quantas pessoas te amam ao seu redor? É fácil abraçá-las, beijá-las, comer com elas. E quem não te ama? Evolua e mentalize coisas boas para elas. Libere o perdão, se perdoe. Você precisa disso. Fui o mais humilhado entre os homens e você como meu seguidor precisa viver isso, de algum modo. Não porque quero o seu mal, mas porque quero te preparar para algo maior. Algo bem maior. Seu coração precisa ser puro, limpo, habitat de paz, de mansidão, de verdade. Não deve caber dentro de você ódio, rancor, medo, insegurança. Você precisa ser seguro, muitos esperam isso de você. Você é um espírito velho, não cabe mais meninices. Seja forte, eu fui forte. Eu sei que é difícil, não foi fácil para mim, mas venci. Vença. Seus medos e seus perdões não liberados. Você não se diz meu vaso? preencha essas rachaduras e volte a ser cheio. Eu te amo de uma forma tão única e é por isso que me revelo a você, pois você me ouve e me faz ser ouvido por outros. Meu nome não precisa ser pronunciado para as pessoas sentirem a minha presença, o seu abraço é o meu abraço, te uso todos os dias e você não nota. Quando você desperta alegria e amor nas pessoas, eu me materializo. Você nasceu para ser amor. Seja amor até para quem vem com espinhos. Sorria sempre". Eu chorava, minha alma chorava tanto. Ele estava ali, Ele veio me amar, veio me consolar.

A lei mandou me matar, mas Cristo me amou. A igreja me matou, Cristo me deu vida, liberdade, amor e paz. Dos 12 anos que passei na igreja, construí um castelo com todas as pedras que me lançaram. Meus dons eram aceitos, eu não. As profecias e visões eram necessárias, a minha presença e o meu pecado não. "Eu não te vejo pelo seu pecado. Eu te vejo pelo que você sente. Eu estou em seus sentimentos. Eu te vejo por dentro, pois aí dentro eu estou". 

O cristianismo se baseia tão somente na ideia de ser seguidor de Cristo. Junto a isso, ser cristão é fazer e pregar o que Ele fez e pregava enquanto vivia na Terra. Ele amou e pregou o amor. Não qualquer amor, mas um que é sofredor, benigno, não invejoso, que não se vangloria, não se ensoberbece, não é inconveniente, que não busca o próprio interesse, não se irrita, não difama, que luta pela justiça e ama a verdade, que tudo sofre, tudo crê, tudo espera e tudo suporta. Não é um amor cego e inconsciente, mas sim vivo e crítico. 

Ser cristão é acima de tudo se conhecer. Conhecer a nossa essência, os nossos medos e os nossos desafios internos. O amor começa internamente, tanto que Ele fala que devemos amar o próximo como a nós mesmos, o amor é interno. Cristo é amor. Cristo mora dentro de nós. E por meio do amor podemos mover o mundo, mover o mundo com base em nossa fé, também interna. Cristo está na materialização de nossa fé. Cristo é amor. Cristo habita dentro de nós.

Ser cristão é se permitir se conhecer, entrar em um deserto sem respostas e ali ser tentado por você mesmo, pela sua vontade de fugir, de fazer diferente, de mentir para si mesmo. É fácil mentir para os outros, não é fácil mentir para si mesmo quando se está sozinho. E ao entrar nesse deserto, as suas roupas somem e você precisa encarar a sua nudez. Você precisa enfrentar seus preconceitos e vencê-los, seus medos e entender o motivo deles existirem, seus erros e suas falhas e entender que você pode construir novos rumos e, por fim, se perdoar. A parte mais difícil é o auto-perdão. Você precisa vencer seus demônios internos. Dalí você sai vestido e revestido, não por roupa, mas por autoconhecimento e luz. Não existem mistérios para verdadeiros cristãos, Jesus se revela e ilumina tudo. 

No fim, os demônios que te atormentam são criados por você mesmo, pelo medo, a maldade é constituída pelo medo. O mal se alimenta do medo. Medo de ser você mesmo, medo da não aceitação por parte dos outros, medo de assumir seus sentimentos, medo de sentir medo, medo do sofrimento, medo da mutação, da transformação. Nesse processo, se criam demônios internos que nos afastam da voz amorosa de Cristo presente dentro de nós. E somos expulsos do paraíso. Tudo passa a ser frio, seco, cinza, triste, melancólico, doloroso, amargurante, causando ansiedade, dor, stress e medo, mais medo. 

Quando encontramos Cristo e nos tornamos verdadeiramente cristãos, voltamos ao paraíso e tudo se torna lindo: o dia, o sol, o calor, as amizades, os amores, as vitórias... nos tornamos prósperos. O amor é muito, o carinho, a alegria é imensa, contagiamos o próximo com nosso entusiasmo, os planos se concretizam, as coisas fluem. Aí não há lugar de medo. E vamos nos aproximando de Cristo, da verdadeira essência dEle. E aí mudamos.

Já não somos mais os mesmos: amamos porque amamos e não há motivo para isso (não precisa concordar comigo, eu continuarei amando), eu não ligo mais para a roupa do irmão no dia do culto, não ligo para microfone, para púlpito, para óleo ungido, para instrumentos, para bíblia, para o louvor do dia, para a pregação enviesada. Eu passo a ver a santidade do outro, eu me conecto a santidade dele. Alí eu olho meu irmão com um olhar de amor, eu não preciso saber dos pecados dele, só quero sentir a presença dele e me conectar ao Cristo que habita nele, que habita em mim, que habita em nós. Eu passo a me responsabilizar pelo outro. Já não é um estranho, mas parte da minha essência. Passa a ser verdadeiramente meu irmão, que merece meu cuidado, meu amor, minha proteção, minha acolhida, meu respeito, meu aconchego. 

Por me conectar ao próximo, a igreja (espaço físico) nada é a não ser um lugar para me encontrar com o outro, outro que me conecta a Deus. Alí eu estarei para aprender com ele, para louvar com ele e isso me levará a Cristo. Eu o amo por causa de sua essência, não pelo que ele tem ou é. Sexualidade não importa, obras, roupas, bem feitorias, afinal o amor que se manifesta em nós vem de graça e é dado pela graça. Não há espaço para leis, regras, normas. Não há espaço para discursos de ódio, de julgamento, de exclusão e violência. Cristo nos faz ousados, ousados para quebrar tudo que outros profetas estabeleceram. Ele se fez cordeiro, não há mais culpa, mais julgo desigual, mais dores, mais sacrifícios. Passamos a ser amados por um Deus que tem a chave da morte em suas mãos. 

O verdadeiro cristão não prega o ódio, não divide, junta, não se abstem quando vê injustiça, olha nos olhos, se responsabiliza pelos outros, quer e ora pelo bem dos outros, não está apegado às conversas tortas, não liga para o ódio dos outros, logo não se importa com esse ódio, não sente medo, não deixa esse medo se materializar, mas emana boas energias e amor, logo tudo flui para ele. Ele não vive de murmurações, não há espaço para isso, pois tudo flui e ele consegue ver Cristo em tudo. Igreja cristãs não precisam de púlpito, preferem rodas de conversas e troca. A caridade é mais importante que roupa nova para congressos. Amam verdadeiramente.

Existem muitas religiões, criticadas por falsas igrejas "cristãs", que vivem e seguem os preceitos de Cristo dia e noite. Nelas, Cristo se manifesta pelo amor. Ele não precisa ser chamado, Ele é sentido e materializado. A religião de Cristo é a religião do amor. Cristo não é Paulo, nem Abraão, Moisés, Isaías, Isaque, Jacó, Jeremias, Ezequiel, João, Jó, Daniel, Davi, Salomão ou qualquer outro profeta. Cristo é Cristo e ser cristão te exige se desprender desses profetas todos e se ligar somente a Ele, somente a Ele. É preciso que se deixe leis mortas e viva a lei viva que é o amor e o amar. Em Cristo não cabe leis, mas somente o amor, o perdão e a graça. 

Não sou evangélico, sou cristão. Você não precisa ser cristão, pode ser só amável mesmo e tudo ficará bem.

"Eu sei, não fugirei quando eu me sentir só, tua voz ouvirei e o teu amor é como avistar o sol no verão outra vez.
Não fugirei quando eu me sentir só tua voz ouvirei e o teu amor é como avistar o sol no verão e em meu coração não há mais lugar pra solidão"
Brenda - Eu Sei

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. E um texto muitíssimo bem escrito, tanto que o comentário deveria ser a altura do autor. Porém depois de um bela descrição do que é ser cristão, eu só consigo lhe parabenizar. Alguém digno de escrever um texto tão profundo tem o amor de Deus muito forte.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Compartilhe conosco a sua opinião.

Postagens mais visitadas deste blog

Desventuras em série: sobre o Decreto nº 9262/2018 que extingue cargos e veta concursos

Para uma concepção crítica das técnicas secretariais: quando o exercício profissional vai além das rotinas administrativas

Secretariado X Assessoria: uma breve reflexão sobre a nomenclatura da profissão