Tem horas que a gente ora, pede, geme e chora


Arte de Xuan Loc Xuan

Ano passado foi um ano bem louco em minha vida. Foi um ano importante para curar algumas feridas, tentar me encontrar, pensar em projetos futuros e descobrir qual é a minha grande missão nessa terra. Dizem que isso acontece com mulheres quando chegam aos 30 anos e com homens quando chegam aos 50 anos. Acho que chegou mais cedo aqui.
As coisas aconteceram e foram se ajeitando, pelo menos era o que eu achava. No meio do ano, fantasmas do passado decidiram voltar. Sabe aquela maçã podre que você decide deixar embaixo do tapete ao invés de enfrentá-la? Pois então, por tempos eu deixei ela lá, não queria visitá-la e nem pensar sobre. Ela decidiu reaparecer e veio com força. Eu dei força a ela, eu intensifiquei o valor do que ela falava para mim.
Na vida, várias coisas acontecem e todas, absolutamente todas, acontecem com o objetivo de nos ajudar a evoluir como pessoas e como seres espirituais. Nada acontece por acaso, isso é um fato que nós não conseguiremos mudar. Nesse sentido, você pode enfrentar o que está acontecendo ou deixar ser levada/o. Eu me deixei ser levado por um tempo, em relação a alguns problemas e preciso te dizer que foi a pior coisa que eu fiz. A melhor das piores coisas que eu fiz na vida, pois enquanto foi ruim, foi instrumento de aprendizado e amadurecimento.
[...]
Tudo estava bem: emprego dos sonhos, reconhecimento profissional, carro, família organizada, mestrado terminando, amigas e amigos maravilhosas/os ao meu lado e vários projetos ganhando corpo, mas algo não estava bem. Esse algo era afetivo, amoroso. Perceba: várias coisas okay e uma não. Essa uma conseguiu mexer em mim e criar uma falsa ilusão de que nada estava bem. Você se sente menos, inferior, debilitada/o, destruída/o, desmotivada/o, sente-se como se o mundo não quisesse a sua presença aqui, como se você não fosse importante, como se nada de certo acontecesse contigo e que a vida não faz muito sentido. São nesses momentos que a gente ora, pede, geme e chora, mas parece não adiantar. É quando você acha que tem feridas que nem o tempo vai conseguir curar. Aí é quando te digo que tem provações que a gente aguenta, porque Deus sustenta e nos dá força para continuar.
O silêncio em meio a tantas perguntas é enlouquecedor. Terapia parece que não ajuda tanto, parece que Deus se distanciou e que os amigos já não mais te entendem. Tudo isso é um engano, está tudo ali: Deus, amigos e respostas. Você precisa se permitir ver essas respostas, se encontrar, se curar e se perdoar, acima de tudo se perdoar. Perdoar os erros do passado, perdoar pessoas, perdoar falhas, liberar o perdão. Enquanto você não fizer isso, continuará sofrendo. É o momento de tirar o sutiã ou a cueca e se encarar, chorar o quanto for preciso, mas se permitir questionar o motivo da dor. O que me faz mal? Por que me faz mal? Quais foram as minhas contribuições para chegar até ali? Quais foram as contribuições das outras pessoas para aquela dor? Pontue. Pontuar é conhecer, conhecer te permite refletir e buscar formas de resolver o problema. É importante dizer que isso vai exigir que você se desprenda de alguns orgulhos e preconceitos para conseguir a liberdade dessa dor. Chorar limpa a alma, mas não resolve o problema, caso o choro não seja acompanhado do processo de autorreflexão. Pense nisso.
Nesse meio caminho, Deus falou comigo. Sim, Ele entrou em meu carro e jogou algumas verdades em minha cara, mostrou tudo que estava bom e o único problema que estava afetando tudo, mostrou quem eu era e o quanto Ele me amava e me protegia diariamente. E uma fala dEle me fez acordar: é fácil amar quem te ama, ame quem te odeia. Aquilo foi tão forte. Minha carne tremia, meus poros dilatavam e é como se saísse algo de mim. Chorei como nunca havia chorado na vida, sorri como nunca tinha sorrido. Hoje sei que o que saiu dos meus poros foram perdões, perdões para mim mesmo. Eu precisava me perdoar, perdoar todos os erros do passado. Outros perdões ainda estou trabalhando, um dia os libero. Enquanto isso, pratico sempre o pensamento amoroso, mesmo para quem não quer o meu bem. Tem me ajudado.
Amar quem te odeia é ofertar o seu melhor para quem não está nem aí. Alguns diriam que isso é ser trouxa, mas não. O processo de autorreflexão te ajuda a entender também seus limites. Cristo mesmo foi tentado 40 dias e 40 noites, não foi um único dia. Ele enfrentou a tentação e a venceu. Ali, penso eu, estabeleceu seus limites na terra. Amar não é ser trouxa, é ser humano. Somos amor puro e ao tentar burlar isso é que sofremos. Amar não é se cegar, é abrir os olhos e se permitir viver a sua essência. Amar quem te odeia é não desejar o mal do outro, é ser do contra e desejar o bem. Amar-se é desejar o bem para si mesmo. A amor é tão nosso que Cristo manda a gente amar o próximo como a nós mesmos. O amor começa aqui, eu preciso me amar para não permitir que a dor tome conta de mim, mas que eu consiga administrá-la de modo consciente e não lhe agregar valor. Ouso dizer que quem se ama de verdade, oferta amor. Se alguém não consegue ofertar amor ou valorizar o amor do outro, é provável que nem se ame. O amor não é externo, é interno e por isso exige um esforço diário de alimentá-lo, como fazemos com nosso corpo físico.
Para não prolongar muito mais, digo que se as forças se esvaíram com as lágrimas que caíram, não permita que o sorriso venha lhe faltar. Pra toda noite de agonia sempre existe um novo dia que brilha na aurora trazendo alegria (Kemilly Santos – Tem horas). Se tudo está difícil, enfrente essa dificuldade, permita-se viver essa dor, mas não dê força a ela, mostre quem manda nessa história. Conheça-se, enfrente seus medos, seus demônios e construa uma nova história, baseada no perdão, no amor (para si e para o outro), na autorreflexão, na autovalorização e na descoberta do sabor da vida nas mínimas coisas do cotidiano.

Comentários

  1. Raul Vitor Oliveira Paes18 de abril de 2018 13:05

    Me vi agora neste texto! Quanta sensibilidade! Show, querido! Amei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raul, meu amigo do secretariado.
      Obrigado pela visita. Fico feliz em saber que gostou e que se sentiu tocado por ele.
      Abraços fraternos,

      Excluir
  2. Excelente, Jefferson!

    Fica tranquilo!
    Deus está providenciando um sorriso
    Pra cada noite que você passou aflito
    O seu gemido será substituído por um hino de vitória

    Não ceda agora
    Não se limite apenas ao teu sofrimento
    Deus sabe exatamente o que está fazendo
    Por mais que hoje você não esteja entendendo

    De fato, encaro cada dissabor como uma oportunidade de crescimento.
    Viver o luto afetivo é fundamental e chorar faz parte disso, se entregar, não.
    Gosto da sua sensibilidade.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  3. Keysa,
    Os dissabores são tão rotineiros, né?! Não dá para se deixar abalar por eles, senão a coisa não anda.
    Obrigado pela visita.

    ResponderExcluir
  4. Me encontrei em varios fragmentos do texto. Até parece que eram referências ao meu respeito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João Victor,
      fico feliz que tenha se encontrado no texto. A ideia é mostrar que todos nós passamos por várias barras, às vezes são todas internas. É importante que a gente as enfrente para conseguir manter uma vida mais saudável.
      Abraços e obrigado pela visita.

      Excluir

Postar um comentário

Compartilhe conosco a sua opinião.

Postagens mais visitadas deste blog

Desventuras em série: sobre o Decreto nº 9262/2018 que extingue cargos e veta concursos

Para uma concepção crítica das técnicas secretariais: quando o exercício profissional vai além das rotinas administrativas

Secretariado X Assessoria: uma breve reflexão sobre a nomenclatura da profissão