Música: Triste, Louca ou Má


Essa música consegue me desmontar. 
Ela consegue nos tirar do lugar comum e nos motivar a sermos mais, sermos mais de nós mesmos. 
Pode parecer machista de minha parte pegar uma música que traz consigo um enredo mais feminista e usá-la para refletir os meus problemas psico-sociais, de homem cis branco e de classe média, todavia ela consegue se adequar em diversos panos de fundo. 
Para o mundo gay então... Ainda sofremos por causa da heteronormatividade exacerbada enraizada em nossa sociedade. 
Com isso, ela não é só uma música para um único grupo, ela é uma forma de protesto à essa sociedade violenta, excludente, categorizadora e homogeneizadora que tenta a todo custo padronizar o convívio humano e suas(seus) sujeitas(os).

Triste, Louca Ou Má
Francisco, El Hombre
  
Triste louca ou má
Será qualificada
Ela quem recusar
Seguir receita tal

A receita cultural
Do marido, da família
Cuida, cuida da rotina

Só mesmo rejeita
Bem conhecida receita
Quem não sem dores
Aceita que tudo deve mudar

Que um homem não te define
Sua casa não te define
Sua carne não te define
Você é seu próprio lar

Que um homem não te define
Sua casa não te define
Sua carne não te define

Ela desatinou
Desatou nós
Vai viver só

Ela desatinou
Desatou nós
Vai viver só

Eu não me vejo na palavra
Fêmea: Alvo de caça
Conformada vítima

Prefiro queimar o mapa
Traçar de novo a estrada
Ver cores nas cinzas
E a vida reinventar

E um homem não me define
Minha casa não me define
Minha carne não me define
Eu sou meu próprio lar

Ela desatinou
Desatou nós
Vai viver só

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desventuras em série: sobre o Decreto nº 9262/2018 que extingue cargos e veta concursos

Para uma concepção crítica das técnicas secretariais: quando o exercício profissional vai além das rotinas administrativas

Secretariado X Assessoria: uma breve reflexão sobre a nomenclatura da profissão