Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2017

Ser efeminado em uma sociedade doente: uma análise antropológica

Imagem
AVISO: Neste texto, há o uso de palavrões e termos “baixos”.
Esses dias estive pensando: o mundo é tão lindo… Não, o mundo não é lindo.
Sabe aqueles dias que você acorda e começa a revisitar os anos que passaram? Você visita aquelas salas repletas de retratos que guardam em si memórias de um dia que passou e ficou. As vezes, memórias que você não se permitiu reviver, nem tocá-las, por causa do peso e da carga que elas trazem consigo.
Alguns meses atrás, eu não me permitiria reviver essas lembranças. Durante muito tempo acreditei que o melhor era “esquecer” tudo, guardar dentro de uma caixinha lá em cima do guarda-roupa e fingir que não se sabe de nada. E nessa brincadeira, a gente vai deixando de lado e por deixar de lado, não nos permitimos sofrer, chorar, sorrir e experimentar as sensações que a vida tem nos proporcionado. E essas lembranças vão ficando e moldando nossas ações futuras e, pelo incrível que pareça, nem sempre estamos cientes do quanto temos das memórias que não queremo…

Música: Triste, Louca ou Má

Imagem
Essa música consegue me desmontar.  Ela consegue nos tirar do lugar comum e nos motivar a sermos mais, sermos mais de nós mesmos.  Pode parecer machista de minha parte pegar uma música que traz consigo um enredo mais feminista e usá-la para refletir os meus problemas psico-sociais, de homem cis branco e de classe média, todavia ela consegue se adequar em diversos panos de fundo.  Para o mundo gay então... Ainda sofremos por causa da heteronormatividade exacerbada enraizada em nossa sociedade.  Com isso, ela não é só uma música para um único grupo, ela é uma forma de protesto à essa sociedade violenta, excludente, categorizadora e homogeneizadora que tenta a todo custo padronizar o convívio humano e suas(seus) sujeitas(os).
Triste, Louca Ou Má
Francisco, El Hombre

Triste louca ou má
Será qualificada
Ela quem recusar
Seguir receita tal

A receita cultural
Do marido, da família
Cuida, cuida da rotina

Só mesmo rejeita
Bem conhecida receita
Quem não sem dores
Aceita que tudo deve mudar

Que um homem não te de…