Baladinha top hetero: uma experiência antropológica.






Fizemos o inusitado, entramos em uma baladinha TOP, em Taguatinga, e foi muito divertido.Queríamos dançar e procuramos então um lugar para entrar. Eram várias casas de show, uma ao lado da outra. Preços variados para entrar e filas enormes. Então, encontramos uma que era acessível o preço e não tinha fila. Entramos.Foi inevitável observar algumas coisas.
...
Dançamos muito, muito mesmo. Não estávamos ali para fazer tipinho ou seduzir alguém, estávamos ali para se divertir. Assim fizemos.
...
Vimos tantas pessoas estereotipadas esvaziadas de si mesmas (mais de 80% das pessoas lá dentro), que vendem uma imagem tão frágil quanto o nível da sua exposição, que se isolam, se exibem e se agridem.
Vimos mulheres em constante oferta do corpo e aparentando que estavam sempre à disposição do sexo oposto, que por sua vez se mostra viril sendo arrogante, prepotente e imaturo.
Nós dançávamos loucamente enquanto as outras pessoas ficavam recatadas, num processo constante de tentar seduzir uma outra pessoa ao tempo em que não se permite aproveitar a festa com medo de cometer algum deslize e assim perder a paquera. Olhares com inveja nos eram lançados. As pessoas não nos olhavam espantadas, olhavam na vontade de ter a liberdade de fazer aquilo também, sem medo. Por vezes, vimos algumas repetindo nossos passos.
...
Nos cantos, víamos trabalhadores que passam a noite em pé limpando e cuidando da diversão alheia. Pessoas invisíveis, apesar da sua materialidade.
Uma senhora, com um rodo na mão, em pé no canto, relatou-nos que ficava ali limpando até o dia raiar. Outra senhora, no banheiro, tirava um cochilo para conseguir aguentar o trampo.
...
E no meio disso tudo o que estávamos fazendo alí? Dançando e se divertindo como nunca antes. Mas sem perder de vista a capacidade de problematizar o que nos rodeava. Não é um julgamento. É uma forma de ver que vai além do aparente.
...
Quando estávamos perto de ir embora, a banda ía começar a tocar, vimos um rapaz (deveria ter uns 28 anos, com postura prepotente, achando-se o dono do mundo) dando dois empurrões em sua namorada, que nada falava, isso na fila do Open Bar. Ele falou coisas, ficamos ofendidos, falamos com os seguranças, eles foram lá e nada fizeram. Depois disso, fomos para nossas casas.
...
Parecemos dois adolescentes depois da primeira festa que os pais liberaram para ir. Um misto de alegria, de sensações. Foi divertido demais.
...
Somos dois professores problematizando uma experiência.
...
Somos Jennifer e Jefferson.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Desventuras em série: sobre o Decreto nº 9262/2018 que extingue cargos e veta concursos

Secretariado: quando a renovação é necessária

Ser efeminado em uma sociedade doente: uma análise antropológica